29/03/2019 às 10:12

Brasil acumula US$ 91,5 milhões na exportação de móveis do primeiro bimestre

Divulgação

A exportação de móveis no primeiro bimestre de 2019 chegou a US$ 91,5 milhões, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex). O resultado do setor moveleiro na soma de janeiro e fevereiro deste ano foi ligeiramente menor se comparado ao mesmo período de 2018, quando a soma exportada chegou a US$ 94,5 milhões. Entretanto, com exceção do ano passado, o valor comercializado em mobiliário nacional em 2019 é o mais alto para os dois primeiros meses desde 2014 (US$ 97,2 milhões).

Isoladamente, o mês de fevereiro registrou um total de US$ 52,9 milhões em exportação de móveis, resultado superior ao mesmo mês de 2018 (US$ 52,4 milhões) e o maior valor em produtos vendidos no mercado internacional para um fevereiro desde 2011, quando a soma foi de US$ 57 mi.

“A retomada das exportações começou a tomar corpo a partir de 2016. Podemos dizer que ela tinha atingido o fundo do poço em 2015, mas a partir disso começou a se recuperar e temos uma expectativa que continue crescendo para 2019 e ao longo dos próximos anos, mediante trabalhos importantes, por parte de entidades e com apoio da Apex-Brasil, que estão sendo feitos para promover as exportações em mercados estratégicos”, disse o diretor do Instituto de Estudos e Marketing Industrial (Iemi), Marcelo Prado.

Volume de exportações no primeiro bimestre (por ano)

A pesquisa verificou os produtos dos seguintes segmentos: móveis de madeira, metal e outras matérias-primas; partes para móveis; colchões pneumáticos de borracha e outras matérias; assentos estofados com armação de madeira, metal e outras matérias-primas.

Entre as categorias que se destacaram na exportação de móveis na soma de janeiro e fevereiro de 2019 está em primeiro lugar o mobiliário de madeira para dormitório (US$ 39,2 mi), seguido de outros móveis de madeira (US$ 22,7 mi), mobiliário de madeira para cozinha (US$ 4,6 mi), assentos estofados com armação de madeira (US$ 3,9 mi) e partes para assentos (US$ 3,6 mi).

Principais parceiros no comércio exterior

Dentre os principais destinos dos móveis brasileiros, os Estados Unidos continuam a figurar no topo da lista, com desembolso de US$ 28,5 milhões na soma de janeiro e fevereiro – o que representa quase um terço (31,1%) do total exportado pelas fabricantes nacionais. Trata-se do mais alto valor comercializado com país norte-americano para um primeiro bimestre desde 2007, quando o total chegou a US$ 37,1 mi.

Já entre os blocos econômicos que mais compram da movelaria brasileira estão os vizinhos da América do Sul. As principais nações parceiras são Uruguai, Chile, Peru, Argentina, Bolívia e Paraguai – as seis nações reunidas efetuaram compras na ordem de US$ 28,4 mi no acumulado de janeiro e fevereiro de 2019

Por outro lado, o mobiliário chinês está ganhando cada vez mais espaço no mercado nacional e já se estabelece como o principal produto do segmento importado pelo Brasil. No primeiro bimestre as exportações de móveis da China foram da ordem de US$ 53,3 milhões. Tal volume é o maior para os dois primeiros meses do ano desde 2014 (US$ 55,1 mi).

Principais estados na exportação de móveis

Os estados que compõem o Sul do Brasil permanecem na dianteira das exportações nacionais: juntos eles comercializaram US$ 74,5 milhões em móveis no primeiro bimestre de 2019, o que representa nada menos que 81,4% do total exportado por todo o país. Na discriminação das unidades federativas, Santa Catarina firma-se na liderança (US$ 35,8 milhões), seguida do Rio Grande do Sul (US$ 26,5 mi) e Paraná (US$ 12,2 mi).