03/04/2013 às 08:35 - Atualizado em 05/01/2017 às 11:33

Campanha incentiva o uso de software legalizado

A pirataria de software no Brasil atinge mais da metade desse mercado (53%), de acordo com pesquisa da The Software Alliance (BSA). A prática afeta o crescimento econômico, o mercado legal, a geração de novos empregos e o investimento das empresas no desenvolvimento de novas tecnologias. Para auxiliar no combate a essa prática, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) apoia e divulga a campanha Empreendedor Legal.

A campanha é fruto de parceria com a Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes) e outras entidades integrantes do Conselho Nacional de Combate à Pirataria (CNCP) e está sendo lançada nacionalmente. A Campanha “Empreendedor Legal” pretende promover a competitividade nacional, divulgando a importância do uso do software legalizado, entre os empresários brasileiros e o respeito à propriedade intelectual.

A suplente da CNC no CNCP, Tatiana Abranches, representou a Confederação e afirmou o compromisso da entidade com a campanha. “O combate à pirataria é um importante passo para a formalização das empresas brasileiras, afinal o comerciante que paga impostos e gera empregos acaba sofrendo uma concorrência absolutamente desleal”, afirmou Tatiana.

A campanha pretende orientar os empresários para as vantagens da competição leal, que vem sendo exigida pela sociedade e principalmente pelos mercados exportadores. “O papel da Abes e de nossos parceiros é orientar as empresas brasileiras para a oportunidade deste cenário, mostrando que o mercado de TI legal pode ser, cada vez mais, um instrumento de produtividade e redução de riscos operacionais, bem como de diferencial competitivo”, afirmou o presidente do conselho deliberativo da Abes, Gérson Schmitt.

Para o secretário executivo do Conselho Nacional de Combate à Pirataria (CNCP), Rodolfo Tsunetaka, a pirataria representa um País no qual nenhum brasileiro quer viver. “O benefício econômico de comprar um produto pirata não paga o mal de estar contribuindo para manter um Brasil que ninguém quer: o Brasil da ilegalidade e do trabalho informal”, concluiu Rodolfo.

Campanha educativa combate o uso de software pirata

“Alguns erros estão na cara. Outros não.” Está é a mensagem da campanha, que traça um paralelo com o jogo dos sete erros, enfatizando que é fácil esconder algumas práticas de concorrência desleal como, por exemplo, a pirataria de software. Ao usar um software pirata, a empresa se beneficia ilegalmente em prejuízo dos seus competidores, contribui para o aumento do desemprego e ainda prejudica o crescimento econômico do país.

O Portal de Denúncia Anônima (www.denunciepirataria.org.br) é o destaque da campanha que abre um novo canal de comunicação entre as empresas e as associações, estimulando um comportamento ativo da sociedade no combate à concorrência desleal.

Além da CNC e da Abes, a campanha conta com a parceria da Associação Brasileira da Propriedade Intelectual (ABPI), da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), do The Software Alliance (BSA), do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO) e do Movimento Brasil Competitivo (MBC).

 

 

Fonte: Portal CNC

Problemas com a imagem

Sobre o Sindicato

Sindicato do Comércio Varejista de Móveis, Artigos de Colchoaria, Tapeçaria e Decorações do Estado do Tocantins

  • Endereço:
    Rua Joaquim Gava 95-B Jardim América Araguaína-TO
  • CEP: 77805-206
  • Processo: 425
  • Telefone(s): (63) 3412-3619
    Fax:
  • Email contato: sicomov@hotmail.com
  • Presidente:
    ANSELMO JOSÉ MARTINS DA SILVA MORAES